A viagem a Copenhaga prometia frio, casacos grandes e bebidas quentes – cumpriu tudo! 🥶

Saímos do Porto para Copenhaga no dia 11 de março. Sendo que era uma viagem de 3h30, chegamos a Copenhaga já bastante tarde, por volta das 21h. O caminho do aeroporto para o centro da cidade foi feito de comboio por ser a forma mais simples e pagamos apenas cerca de 4€ cada um – a única coisa que pareceu barata na viagem inteira 😂

A caminho do Steel House Copenhagen, o hostel onde íamos ficar durante a nossa estadia, percebemos a dinâmica social era diferente já que, àquela hora, não havia ninguém na rua.

O Steel House era extremamente agradável com espaços sociais incríveis e staff prestável, simpático e muito divertido – tinha salão de jogos, piscina, cozinha social, bar e sala de cinema (que estava fechada para obras.

Ficamos num quarto com quatro camas o que significava que não tínhamos de dividir com mais ninguém.

No dia seguinte começamos cedo e, como de costume, começamos por uma free walking tour para marcarmos já um check nos sítios mais típicos da cidade. Optamos por fazer com a Politically Incorrect Free Tours e fizemos a Copenhagen Highlights Tour

A tour foi um pouco simples, sinto que acabei por não aprender nada de espetacular sobre a cidade, mas não vos consigo dizer se isso é um problema da própria cidade ou dos guias.


Neste dia visitamos a Strøget, a rua comercial da cidade com imensas lojas e onde está, também, a Buka Bakery, muito conhecida pelos seus bolos. Eu provei o croissant com pistachio e bebi um matcha latte que deu um total de cerca de 14€ 🥲

 

 

 

 

 

 

 

 

Ainda durante a tarde visitamos também o Christiania, uma “cidade livre” como os seus habitantes a intitulam. Este pequeno local rege-se por leis próprias e, por exemplo, as casas da cidade pertencem a todos, não há portas fechadas – sendo que também ninguém paga renda. Não tirei fotos porque não era permitido devido ao consumo de drogas que também é bastante casual por lá.

No dia seguinte íamos a Malmö, uma pequena cidade na Suécia que fica apenas a 40 minutos de comboio da estação central de Copenhaga – o valor de ida e volta, por pessoa, é de cerca de 26€.

Malmö não tem grande coisa para ver, mas o seu aspeto pitoresco faz com que a visita de um dia valha completamente a pena. Deixo aqui alguns lugares que podem visitar:

  • Lilla Torg – pequena praça perfeita para começarem o vosso passeio
  • Malmö Konsthall – museu de arte moderna gratuito
  • Malmö stadsbibliotek – biblioteca que parece um castelo
  • Castle Mill – este pequeno moinho está inserido num parque bastante grande e vale a pena darem um passeio por lá
  • Malmö Saluhall – pequeno mercado de comida com várias opções. Comi uma das melhores massas da minha vida aqui
  • Nordic Style Coffee Malmö Laboratory – excelente café com diversas opções que fogem à regra.

Nesta noite, de regresso a Copenhaga, ficamos pelo hostel a aproveitar a happy hour e decidimos ir sair a um lugar aconselhado por uma rapariga que trabalhava no Steel House – o Proud Mary Pub. Apesar de um pouco turístico, a verdade é que acabamos por nos divertir imenso e ir lá mais do que uma vez.


No dia seguinte fomos ao highlight da viagem, sem dúvida alguma! O Louisiana Museum of Modern Art fica um pouco longe de Copenhaga, a cerca de 45 minutos de comboio – o valor da viagem até lá é cerca de 18€ por pessoa, ida e volta.

Com exposições da Nan Goldin, Yayoi Kusama, Louise Bourgeois, foi, de longe, o museu mais bonito onde já estive.

Para além das peças serem incríveis, o próprio set do museu parecia saído de um filme. O bilhete para entrar custa 19€.

Como de costume, deixo-vos os links para as listas do Google Maps com lugares de interesse:

Copenhaga – https://maps.app.goo.gl/ZL3vKYsPmoKZnTCo9

Malmö – https://maps.app.goo.gl/GoP9QScvK2Axyuj28

 

Texto: Francisco Barros

Fotos: Tomás Oliveira

10 de avril de 2024 — Diana Nobre